Quer fazer sua própria cerveja em casa com os equipamentos automatizados da EZbrew?

Aqui você encontra vídeos, manuais e perguntas frequentes que te ajudarão a esclarecer todas as suas dúvidas. Aproveite e comece agora a fazer sua própria cerveja com a EZbrew!

Perguntas Frequentes

A bomba não liga. O que devo fazer?

1) Verifique se o equipamento está ligado na tomada; 

2) Verifique se o cabo de força está bem conectado na saia do equipamento; 

3) Verifique se o plug de alimentação e o plug de comando do controlador está devidamente conectado na saia do equipamento; veja as etiquetas indicativas; 

4) Verifique se o plug da bomba está devidamente conectado na saia do equipamento; veja as etiquetas indicativas; 

5) Verifique se a bomba está devidamente conectada na rosca de saída do tanque de fervura; 

6) Verifique se a válvula está na posição aberta; 

7) Verifique se a mangueira de recirculação está conectada a bomba; 

8) Coloque um pouco de água no equipamento; 

9) Verifique se a chave geral esteja ligada (luz acesa); 

10) Verifique se o sensor anti-transbordamento está conectado na caixa de comando; 

11) Verifique se a posição do sensor anti-transbordamento está corretamente instalado (caído pra baixo); 

12) Ligue e desligue a bomba na chave alavanca na caixa de comando; 

13) Verifique se a bomba liga, encoste a mão nela para sentir que está rodando ou verifique se a água está sendo bombeada.

O mosto não está descendo do tanque de mostura para o tanque de fervura. O que devo fazer?

1) Verifique se a válvula da saída do tanque de mostura está aberta; 

2) Feche a válvula do tanque de mostura e com o auxílio da pá cervejeira, afrouxe a cama de malte mexendo até o fundo do tanque; 

3) Aguarde uns 2 a 3 minutos e abra vagarosamente a válvula de recirculação com a bomba desligada e verifique se o líquido está descendo; 

4) Se não estiver descendo, tende dar umas pancadinhas na válvula pelo lado de fora com um martelo pequeno, com o objetivo de criar uma vibração; 

5) Se continuar não descendo o líquido, remova todo o malte e o líquido do tanque de mostura e verifique o que pode estar entupido a válvula do equipamento (é raro ter que fazer isto);

 

Dicas:

 

1) Entre uma brassagem e outra, procure encontrar a moagem ideal para uma boa eficiência e uma boa filtragem. Ela não pode ser tão fina a ponto de entupir o fundo falso e não precisa ser a moagem média que deixa muitos grãos inteiros. Conheça a linha de moinhos da EZbrew; 

2) Quando usar cereais não maltados, procure compra-lo pré gelatinizado ou fazer um processo paralelo para gelatinizar estes cereais. Recomendamos estudar sobre o assunto; 

3) Procure manter de 2 a  5 dedos de coluna de mosto sobre a cama de grãos, quanto maior a coluna de mosto, maior é a pressão da cama de malte sobre o fundo falso, dificultando a filtragem; 

4) A cada 10 a 15 minutos é bom dar uma afrouxada na cama de malte SEMPRE COM A VÁLVULA FECHADA do tanque de mostura. Deixe a bomba ligada para encher bem o tanque para facilitar a mexida; 

5) Pare de mexer na cama de malte quando estiver subindo para o patamar de mash out para clarificar bem seu mosto.

A temperatura do tanque de cima está abaixo do tanque de baixo. Devo me preocupar com isto?

É característica do processo ter uma diferença de 2 até 5 graus entre a temperatura mostrada no controlador e o tanque de mostura. Mas não se preocupe, as faixas de sacarificação são bem amplas (de 55 a 73 graus celsius). 

Os fluídos tem como característica física ter uma resistência a mudança de temperatura, chamada inércia térmica ou histerese. Quanto mais denso for o líquido maior esta resistência. 

Os controladores usados pela EZbrew são aferidos constantementes com termômetros aferidos pelo INMETRO. Termômetros para uso caseiro normalmente pode ter uma diferença de leitura, as vezes bem altas. Se você tiver um termômetro confiável e gostaria de um tira teima, remova o sensor de temperatura que fica alojado no poço térmico no fundo do tanque de fervura pelo lado de fora, e coloque-o em um xícara com água pré aquecida. Nesta mesma xícara, coloque o termômetro confiável e compare a temperatura. Se você perceber uma diferença muito grande, chame a Assistência Técnica EZbrew.

 

Dicas:

 

1) Mantenha o líquido circulando durante todo o processo, até mesmo quando estiver esquentando apenas água. Isto ajuda a estabilizar e homogeneizar a temperatura do líquido e ter uma melhor medição; 

2) Se você estiver com dúvidas na leitura, desligue o aquecimento, de uma mexida no líquido com a pá cervejeira e aguarde pelo menos 3 minutos para que a leitura se estabilize; 

3) Não recomendamos mudar nos parâmetros de set point do P03 para corrigir esta diferença. Você pode estar incluindo um erro para corrigir uma característica do equipamento. O que você pode fazer é programar o controlador uns 2 ou 4 graus a mais do set point que você quer fazer o patamar de sacarificação.

O equipamento não liga. O que devo fazer?

1) Teste outro equipamento na mesma tomada para ver se o problema não está na sua tomada. Confira se o disjuntor não desarmou. Se ele estiver desarmado é sinal que o circuito que você escolheu para ligar o equipamento pode estar subdimensionado. Chame um eletricista da sua confiança para adequar a demanda de energia elétrica para seu equipamento; 

2) Verifique se o equipamento está ligado na tomada de 220V; 

3) Verifique se o cabo de força está bem conectado na saia do equipamento. Plugs de força mal inseridos podem causar superaquecimento na tomada e danificar o equipamento; 

4) Verifique se os conectores de alimentação e do comando do controlador estão devidamente conectado na saia do equipamento; 

5) Verifique se os conectores e plugs do equipamento não estão molhados; 

6) Mexa no plug de alimentação e de controle do seu controlador e veja se o controlador liga. Se ligar é sinal de mal contato por umidade ou oxidado. Tire o equipamento da tomada e borrife um WD40 ou outro anti oxidante e conecte e desconecte o equipamento várias vezes com o objetivo de remover a oxidação; 

7) Se o plug estiver úmido você pode ter comprometido seriamente a elétrica do equipamento, chame a Assistência Técnica EZbrew.

Estou sentindo um cheiro de plástico queimado. O que devo fazer?

Se você está sentindo um cheiro de plástico queimado pode ser sinal de superaquecimento dos plugues de alimentação do equipamento.

1) Desligue imediatamente o equipamento da tomada de sua casa e confira se o plug do cabo de força está bem encaixado na saia do equipamento. Faça movimentos para cima, para baixo e pros lados enquanto pressiona o plugue pra dentro. O plug que equipa nosso equipamento é blindado e resistente a respingo e pode apresentar uma dificuldade maior que o habitual para encaixá-lo; 

2) Se você demorou para agir ou passou despercebido e o equipamento parou de funcionar, acione a Assistência Técnica EZbrew. Não tente ligar novamente o equipamento se você perceber algum dano no plug de alimentação do equipamento sob risco de curto circuito.
É bem provável que seu disjuntor tenha desarmado.

Estou sentindo um cheiro de mosto queimado. O que devo fazer?

É muito raro (menos de 0,3%) acontecer queima da resistência elétrica com o mosto cervejeiro. Fizemos um estudo dos casos e contatamos alguns fatores que podem provocar este fenômeno. 

Segundo os estudos, este problema está associado a concentrações elevadas de proteínas e de beta-glucano presentes no maltes e cereais. Constatamos alguns padrões e um conjunto de fatores que podem contribuir para acontecer o problema: 

a) Nos casos estudados foi feito descanso do beta-glucano (40 a 45 graus) e descanso proteico (50 a 55 graus); 

b) A mostura estava um pouco gorda (em torno de 3 litros por kg de malte); 

c) Existia a presença de algum ingrediente com índice alto de proteína, como aveia, trigo e centeio; 

d) O cheiro de queimado era percebido no início do processo de mostura, logo quando abria a válvula de mostura para a descida do primeiro mosto; 

e) As brassagens que continham cereais com alto índice de proteina e que eram feitas sem descanso proteico, não foi relatado o problema.

 

1) Se você sentir algum cheiro de queimado, pare imediatamente o aquecimento e desligue o equipamento da tomada. Retire o tanque de mostura e todo o líquido do tanque de fervura e lave cuidadosamente a resistência e remova quaisquer resíduos de queimado. Se você insistir com o processo com a resistência queimada você pode corre o risco de perder sua cerveja; 

2) Se você for fazer uma brassagem direto na rampa de sacarificação (64, 68 ou 72ºC) e com fator água / malte maior que 4 litros por kg e mesmo usando adjuntos em flocos (pré gelatinizados) não precisam se preocupar; 

3) Se você for usar cereais in natura, não malteado e não pre-gelatinizado, recomenda-se fazer a gelatinização separadamente da mostura dos maltes. Cada cereal tem a temperatura e tempo ideal de gelatinização, recomendamos estudar sobre o assunto; 

4) Se você realmente precisa fazer um descanso a 40 graus para o ácido ferúlico por exemplo ou se no laudo de seu malte tiver uma presença muito grande de beta-glucanato (acima de 150), sugerimos programar o equipamento para 43ºC por zero minuto somente para avisá-lo que chegou a temperatura. Derrube o malte e deixe recirculando enquanto o equipamento vai subindo lentamente a temperatura para o set point de sacarificação. Ao abrir a válvula pela primeira vez do tanque de mostura, coloque a chave de aquecimento na posição desligado. Abra a válvula, ligue a bomba e deixe recirculando com a resistência desligada por pelo menos 3 minutos; 

5) Se a sua brassagem está muito gorda (em torno de 3 litros por kg de malte) quando abrir a válvula do tanque de mostura, desligue a resistência e deixe recircular por uns 3 a 5 minutos, após este tempo, coloque a resistência no automático novamente.

 

Explicação:

 

1) Os maltes bem processados na malteria, o beta-glucano (que é uma hemicelulose que encapa os grãozinhos de amido dentro do grão de malte) já é atacado pela enzima beta-gluganase no processo de malteação. Então não é mais necessário fazer esta parada, a não ser que no laudo que este índice for maior que 150. Na dúvida não faça este descanso; 

2) A parada proteica dos 50 a 55 graus, a enzima protease age desnaturando as proteínas contidas nos grãos. Um pouco de proteína até é bom para a saúde das leveduras, mas demais vai acabar com a espuma e vai criar um volume muito grande de trub com as proteínas desnaturadas. Este trub pode acumular muito no fundo do equipamento (é mais pesada que o mosto de açúcar) a um ponto de cobrir a resistência do equipamento e provocar esta queima. Na dúvida, não faça esta parada.

Posso ligar meu CT 17 em 127V?

Os controladores EZbrew CT17 são montados para ligação em 220V. 

Se você precisar ligar algum equipamento em 127V é possível com uma mudança do fio de alimentação no controlador. Para isto você precisa desmontar a caixa de controle e mudar o fio de alimentação de 220V para 127V. 

Se você não tem habilidade para fazer esta alteração, procure um eletricista ou peça para EZbrew já enviar com esta opção de ligação.

Está passando casca de malte pro tanque de fervura. O que devo fazer?

1) Confira a posição do aro do fundo falso. Ele tem que estar posicionado de forma que a saída da válvula fique dentro da circunferência do aro; 

2) Confira se o seu malte não foi moído muito fino ou se ele é muito friável. Malte muito friável deve ser moído um pouco mais grosso ou deve ser previamente umedecido antes da moagem; 

3) Sempre que for mexer na cama de malte, faça isto com a válvula do tanque de mostura FECHADA. Se você fizer isto com a válvula aberta, a pressão de descida do líquido pode levar cascas de malte para o tanque de fervura e pode ocasionar queima da resistência e entupimento da bomba. 

A espessura de passagem de líquido de nosso fundo falso é de apenas 0,8mm, muito pequeno para passar cascas de malte.

A resistência não liga - Serie K. O que devo fazer?

1) Verifique se o cabo de controle esteja devidamente conectado na saia do equipamento; 

2) Verifique se o sensor de nível do tanque de fervura não esteja danificado ou trancado. Isto pode ocorrer se você não tiver cuidado quando for guardar o tanque de mostura dentro do tanque de fervura. Se acontecer um choque físico neste sensor você pode ter problemas; 

3) Confira se tem líquido suficiente no tanque de fervura para passar o nível do sensor de segurança; 

4) Verifique a posição da chave branca da caixa do controlador remoto. se ela estiver na posição central (posição desligado) coloque na posição manual e veja se a luz indicadora na saia do equipamento acende. Se acender é sinal que a resistência ligou; 

5) Se a posição da chave estiver na posição automático, aperte a seta pra baixo do seu controlador por 2 segundos para ativar a programação. Se continuar a não acionar a resistência, confira a programação do controlador. 

Nossos equipamentos da série K possuem um sensor no tanque de fervura que impede que a resistência trabalhe a seco. Do lado de fora da saia tem uma luz indicadora que acende quando a resistência estiver ligada. 

Se isto acontecer, desligue a bomba e deixe o líquido descer para o tanque de fervura. 

Equalize o nível de líquido no tanque de mostura a uns 2 a 5 dedos sobre a cama de malte. 

Se você perceber que isto está acontecendo com frequência é sinal que você está com pouco líquido em sua brassagem. Experimente colocar de 3 a 10 litros a mais no processo para ver se resolve o problema.

A eficiência está baixa. Como faço pra aumentar?

Esta eficiência é a quantidade de açúcares que você consegue converter e retirar dos grãos de malte. 

Isto depende do tipo de cereal que você está usando, da safra do cereal, do processo de malteação destes grãos, da ficha técnica do ingrediente. 

As fichas técnicas dos maltes são para cada batelada e variam a todo momento. Se você quer ou precisa de um controle mais preciso, você precisa atualizar a ficha técnica dos ingredientes no software que você está habituado a usar para projetar sua cerveja. 

Para fins de comparação, adotamos o método que o Beer Smith usa para calcular eficiência, que não considera o peso da casca de malte. Consideramos o volume pós fervura, descontando 4% do volume (se na hora da medida o mosto estiver próximo de 100 graus centígrados) e a densidade (OG) medida com densímetro e ajustada de acordo com a tabela de temperatura do mosto. 

Conseguimos 75% de eficiência sem lavagem de malte. Lavando passa de 95% de eficiência em nossa brassagens no show room com o equipamento original. Nao usamos chuveirinho para fly sparge, apenas a mangueira solta sobre a coluna de mosto sobre a cama de grãos. Apenas um fiozinho de água. Reservamos 1/3 da água total para a lavagem. O tempo de lavagem é o mesmo tempo que o equipamento leva pra subir pra fervura.

 

10 Principais fatores que interferem na eficiência do processo de mostura, em ordem de importância:

 

1) Lavagem do malte:
Só com o fato de lavar o malte, você consegue aumentar em mais de 25% de eficiência no processo. Quanto mais água no processo de lavagem e quanto mais lenta ela for, maior a eficiência. Uma dica é reservar de ⅓ a ½ da água total da brassagem para usar na lavagem do malte após o mash out. Chamamos este processo de fly sparge. Uma boa referência de velocidade de lavagem é 1 litro por minuto. Se você tem recursos como pHmetro e ácido fosfórico ou ácido lático, regule o pH da água de lavagem para algo entre 5,2 a 5,4. A temperatura desta água também é importante: Você pode lavar o malte com água entre 75 a 78 graus centígrados;

2) Moagem do malte:
Uma boa moagem pode contribuir em um aumento de mais de 10% na eficiência do seu processo. Se a moagem for muito fina, prejudica a circulação do mosto através da cama de maltes e diminui a eficiência. Se for muito grossa, muitos grãos ficarão inteiros e o extrato que está dentro dos grãos acaba indo pro lixo. A moagem ideal para nosso equipamento é entre a moagem média e fina, onde a palha dos grãos de malte são preservados e o miolo dos malte fica exposto com o minimo de grãos inteiros. Graças ao inovador design de nosso fundo falso, ele suporta moagem um pouco mais fina que o convencional. Uma dica é regular o espaçamento entre os rolos do nosso moinho de 2 rolos EZbrew M2R com uma moeda de 5 ou 10 centavos (0,8mm);

3) Safra e procedência do malte:
Maltes importados costumam ser maiores, o que resulta uma maior eficiência. Existe diferença no tamanho dos grãos entre uma safra e outra, isto pode variar entre 3 a 5 % para cima ou para baixo. Peça ao seu fornecedor de insumos a ficha técnica do malte que você está comprando e atualize no software que você usa para fazer suas receitas. Lembre-se de ajustar o espaçamento do seu moinho de acordo com seu malte;

4) Mexer na cama de malte:
A cada 10 a 15 min durante a mostura, mexa na cama de malte pode contribuir com um aumento de mais de 5% na eficiência. O líquido é preguiçoso e procura os caminhos mais fáceis, lavando tudo que encontra pela frente. Mexendo de tempos em tempos na cama de malte com sua pá cervejeira (sempre com a válvula fechada), você quebra esses caminhos preferenciais forçando o mosto a dissolver mais açúcares durante a próxima recirculação. Procure raspar o fundo falso com a pá cervejeira, mas lembre-se de ser gentil para não entortar o fundo falso;

5) Água total:
Quanto mais água você usar no processo, maior será sua eficiência. Mosturas com OG´s abaixo de 1045 geralmente supera os 90% de eficiência (com lavagem do malte). OG’s maiores que 1070, a eficiência pode cair para 75% e OG´s próximas de 1100, a eficiência pode cair para abaixo 50% (sem lavagem de malte). Isto é devido a propriedade que a água tem em dissolver os açúcares do malte. Quanto mais saturado estiver o mosto, menor será a capacidade de dissolver mais açúcares;

6) Velocidade da recirculação:
Quanto menor a velocidade da circulação do mosto, menor é a pressão da cama de grãos sobre o fundo falso do equipamento, melhorando a circulação e aumentando a eficiência do processo. Regule a válvula da saída do tanque de fervura e a válvula da descida do mosto do tanque de mostura, para que o nível de mosto se mantenha a uns 2 a 3 dedos acima da cama de malte;

7) Tempo e temperatura de Mostura:
Quanto maior for o tempo e a temperatura da mostura, maior a eficiência. Você consegue uma ótima eficiência com 60 minutos de mostura a 68 graus centigrados. Você pode ganhar uns 3% se prolongar esse tempo em mais 30 minutos. Uma boa prática e programar 1 patamar a 72 graus centigrados por ZERO minutos e logo em seguida programar um patamar a 68 graus por 60 minutos. Com a mistura da água mais quente com o malte mais frio, a temperatura tente a cair para uns 68 graus centigrados. Quando mais frio estiver o mosto, mais viscoso ele será e mais difícil será a circulação do mosto;

8) Ions de Cálcio e o pH do mosto:
Manter o pH da água entre 5,2 a 5,6 e íons de cálcio acima de 100ppm diminuem consideravelmente a viscosidade do mosto melhorando a circulação e consequentemente aumentando a eficiência e melhorando a clarificação do mosto;

9) Quantidade de grãos processados:
Quanto mais perto do limite do equipamento, menor a eficiência do processo. Prefira brassagens entre 50% a 80% da capacidade total de seu equipamento. Se for fazer uma Hi Gravity, retire o mosto mais concentrado sem lavar a cama de grãos e processe em uma outra panela. Lave os grãos e faça uma outra cerveja para aproveitar todo o potencial que o malte oferece. Lembre-se: quanto mais malte, menos cerveja!

10) Adjuntos no grist:
Cereais como aveia, arroz, milho, centeio, trigo costumam formar um gel e entupir a cama de grãos diminuindo a circulação do mosto e consequentemente baixando a eficiência. Estude bem sobre processo de gelatinização destes cereais separadamente ou prefira cereais maltados ou pré gelatinizados (em flocos). Uma dica é pré hidratar estes adjuntos separadamente em água aquecida (cada cereal tem uma temperatura ideal) e adicione no mosto após 30 minutos do início de mostura. Nos primeiros 30 minutos, o mosto de malte de cevada também estará mais viscoso e após esse tempo tende a ficar mais fluido. Quando se coloca uma quantidade muito grande de adjuntos e coloca logo no início da brassagem, a experiência durante a brassagem costuma ser bem difícil.