Floripa é a mais nova cidade a ganhar lei para incentivar a cerveja caseira

Florianópolis é a mais nova cidade a ganhar um Programa de Incentivo ao Desenvolvimento de Nanocervejarias e de Cervejeiros Caseiros Profissionais. Este é um bom motivo para um brinde, ainda que você não viva na capital catarinense.

Já que você está aqui neste blog, provavelmente já sabe a força que a produção artesanal de cerveja está ganhando em todas as partes do país. A novidade é que isso que você já sabe está sendo reconhecido pelas autoridades.

Programas semelhante são realidade em diversas cidades do país. Se você fizer uma busca rápida na internet vai perceber que cidades como Jaraguá do Sul e Blumenau (Santa Catarina), Petrópolis (Rio de Janeiro), Uberlândia e Caxambu (Minas Gerais) entre muitas outras já contam com programas semelhantes.

Além disso, não são poucos os municípios em que, neste exato momento, projetos parecidos estão em estudo.

Por que isso é importante?

Claro, a produção da cerveja artesanal é um hobby para muita gente, mas essa atividade vai: muito além disso. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento divulgou em janeiro o Anuário da Cerveja no Brasil 2018, que tem dados bem bacanas

  • Ao fim de 2018, o Brasil contava com 889 cervejarias em operação;
  • No ano, 6,8 mil registros de produtos para cerveja/chope foram concedidos;
  • 210 novas fábricas foram abertas;
  • Há cinco anos, o produto artesanal correspondia a 1% do mercado de cerveja no país e em 2018 essa participação subiu para mais de 3%.

Ou seja, trata-se de uma atividade econômica que ganha cada vez mais importância nas mais diferentes regiões. A cerveja artesanal ajuda na criação de renda e também de empregos. E mais, a atividade ainda tem tudo para fomentar o turismo cervejeiro.

Quer ver mais sobre o Anuário da Cerveja no Brasil 2018? Veja tudo no site do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Produção com responsabilidade

Em Florianópolis, a nova lei considera como nanocervejaria aquela que tem produção abaixo de 30 mil litros anuais. Quem produz abaixo de 14 mil litros é considerado cervejeiro caseiro profissional.

Estes cervejeiros, de acordo com a lei, passa a ter direto de participar de eventos promovidos ou patrocinados pelo poder público, abrir bares e restaurantes (desde que sigam as demais normas impostas pelo governo) e oferecer amostras do produto no interior da cervejaria, sem a necessidade de licenciamento da atividade de comércio.

Para isso, no entanto, o cervejeiro deve cumprir alguns requisitos. Em primeiro lugar, é claro, é preciso regularizar a produção em todos os órgãos competentes nos âmbitos municipal, estadual e federal.

Em seguida, é necessário seguir todas as normas ambientais. Por exemplo, os resíduos sólidos não poderão ser descartados para a coleta domiciliar regular e deverão ter a destinação ambientalmente apropriada.

Respeito ao meio ambiente é, sem dúvida, uma premissa justa para o incentivo à produção!

E quais são as consequências

Nó da EZbrew defendemos que beber bem é beber menos, mas com mais qualidade. Inclusive já escrevemos um post sobre Conhecer os próprios limites. Cada receita, cada mistura vai proporcionar um produto diferente. No fim, você vai perceber que não é a quantidade que importa, mas assim a qualidade da cerveja que está sendo consumida.

Um produto com mais qualidade atrai mais gente, fomenta o turismo, aquece a economia e cria uma cultura de beber de forma responsável. Todos os envolvidos saem ganhando.

E você, cervejeiro? Tem uma história legal de como a sua cidade incentiva a produção da cerveja caseira? Entre em contato conosco e vamos dividir, entre um copo ou outro, as experiências.

Um brinde a todos nós!!!

 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *