Entendendo o teor alcóolico da cerveja

Saudações, amigo cervejeiro!

Cerveja é química, fisica e biologia! Nossa bebida predileta nasce da transformação de ingredientes através de variados processos fisicos, quimicos e biologicos. O armos, sabor, a coloração e o teor alcoólico são resultados destes processos de transformação.

Quando falamos especificamente do teor alcoólico, ele é produzido durante a fermentação, no qual os açucares fermentáveis transformados na mosturação são consumidos pelas leveduras, que são microorganismis unicelulares do reino dos fungos. É exatamente por isso que a cerveja é considerada uma bebida fermentada.

Neste artigo do Blog da EZbrew vamos explicar como esse processo acontece, porque algumas cervejas são mais alcoolicas do que outras. Vamos nessa?

Veja também: Fazer cerveja em casa é difícil?

Comilança das leveduras e o teor alcoólico da cerveja

Vamos começar esse bate-papo na mosturação, o processo de extração dos açúcares do malte de cevada e de outras fontes de amido, de acordo com a receita do cervejeiro. Nessa etapa, o amido (uma macromolécula presente nos grãos) é quebrado, gerando moléculas menores, o qual chamamos genericamente de açucares fermentáveis.

O mosto resultante deste processo é resfriado e recebe as leveduras, microorganismos que metabolizam os açúcares fermentáveis produzindo energia para o funcionamentodas celulas. O resultado dessa “comilança” em nível celular é a formação do álcool, além e outros compostos como esteres e o gás carbônico.

Note que cada vez que fazemos um mosto ele terá uma certa quantidade de açúcares fermentaveis. A concentração de açúcares é medido com um densimetro r chamamos de gravidade original ou simplesmente OG. Após a fermentação, essa concentração cai em função da ação das leveduras e da produção de etanol. Chamamos de Gravidade final ou simplesmente FG.

O cálculo aproximado da quantidade de álcool gerada na fermentação e o resultado da diferença entre os extratos original e final multiplicado por 131. Cabe ao cervejeiro “manobrar” a equação durante a fermentação para que a cerveja tenha o teor alcoólico que ele busca. Caso ele escolha uma levedura mais “esfomeada”, o resultado será uma cerveja mais alcoólica. Ou se desejar fazer uma cerveja menos alcoólica, produz-se um mosto com gravidade original mais baixa ou escolha uma levedura com baixa atenuação.

Veja também: Fazer cerveja em casa é para você? 5 motivos para você começar a produzir agora mesmo

Teor alcoólico e o sabor e aroma da cerveja

Você já ouviu falar dos ésteres? Eles são compostos que se formam da reação entre os alcóis e os ácidos durante a fermentação, e são a essencia do perfume da cerveja. Esse fator está ligado diretamente ao tipo de levedura escolhida: as cepas belgas tendem a produzir muitos esteres o que deixa a cerveja com um aroma e sabor característicos.

Além disso, o álcool também dissolve algumas substâncias, que evaporam e ajuda na nossa percepção dos aromas.
A reação do álcool com as demais substâncias que a cerveja contém é fundamental também para o sabor da bebida. Algumas dessas substância são destacadas, fazendo com que a bebida tenha uma grande nuance de paladares. Bem do jeito que gostamos!

Veja também: Cerveja feminina: do jeito que a mulher quiser!

Curta a sua cerveja sem exageros

Existem cervejas com o teor alcoólico bem baixo, de 1 a 2%, e também bem alto, acima dos 12%. No entanto, a maioria dos estilos tem um teor médio, entre 4 a 6%.

Seja qual for a sua escolha, o mais importante é curtir a bebida com responsabilidade, apreciando cada detalhes, desde a aparência passando pelo aroma e pelas nuances do sabor. Com mais conhecimento, você tem uma maior capacidade de apreciar cada um desses detalhes.

Conheça mais sobre o universo cervejeiro no Canal da EZbrew no Youtube, navegue pelos equipamentos e acessórios EZbrew, escolha os seus ingredientes preferidos e prepare-se para os melhores brindes da sua vida. Quer saber mais? Entre em contato agora mesmo com nossa equipe de cervejeiros e torne-se um EZbrewer. Venha fazer parte dessa família!

Saúde a todos nós!

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *